Tuesday, February 14, 2017

Post convidado: Como as editoras do mapa do Waze promovem a contribuição social feminina

Por: Caroline S. Guerra, usuária do Waze, Brasil.


Poder participar de uma comunidade que tem como foco o colaborativo e que, a partir dela, podemos desenvolver várias ações que de algum modo possam trazer benefícios à sociedade é simplesmente entusiasmante e maravilhoso.

Diferente de muitos relatos acerca de que um ambiente predominantemente masculino pode se mostrar hostil para as mulheres, a Comunidade Brasileira do Waze tem, de fato, um outro cenário.

A predominância de editores do sexo masculino é bastante notória, e o percentual de participação de mulheres como editoras é bem inferior. Embora muitas utilizem a tecnologia do aplicativo, poucas participam de alguma forma da construção dele, existindo uma reciprocidade baixa quanto à colaboração nas edições de mapa.

Objetivando mudar a realidade, a comunidade resolveu, por conta própria, desenvolver um projeto com diversas ações para aproximar as mulheres ao aplicativo (comunidade).

Tudo começou com um post no fórum da comunidade que visava estudar como tornar o Waze mais amigável para as editoras. Tal discussão foi essencial, pois muitas editoras encontraram ali a oportunidade de ter voz e encorajavam-se a “falar”. Dessa discussão no fórum da comunidade foi desenvolvido um planejamento com objetivos, metas e ações a serem implementadas no que acabaria de se tornar um projeto denominado “Mulheres no Waze Brasil”.

Assim, formamos um grupo do projeto e no início de 2016 foram iniciadas as ações. Para resumir podemos citar algumas, como, por exemplo, o envio de Mensagens Privadas (MP) para cada editora que identificávamos, inserindo a sugestão de participar de uma pesquisa voltada para editoras e de participar do grupo do Whatsapp e/ou Hangouts “mulheres no waze”, o qual foi criado para discutirmos vários assuntos desde edição até assuntos corriqueiros de mulheres, visando uma melhor aproximação. Até agora enviamos PMs para 451 editoras.

Também realizamos um encontro, via Hangouts, com as editoras; criamos uma logo do grupo das Editoras Waze Brasil, a qual foi inserida em algumas assinaturas no fórum; divulgamos nas redes sociais mantidas pela comunidade posts referentes às datas comemorativas nacionais para o público feminino; também divulgamos nosso projeto e a nossa realidade em blogs voltados para o público feminino que enfrentam essa mesma realidade. Tudo isso visando aproximar e incentivar a participação feminina na comunidade Waze.

Entretanto, constatamos que o intuito vai muito além de acolher mais mulheres na comunidade do Waze: o nosso interesse final é, principalmente, a contribuição social que podemos alcançar, utilizando o Waze como instrumento.

Portanto, para tentar mudar uma realidade basta uma ideia e colaboradores entusiastas. O que faz mover o mundo são as ações…movam-se!

Foram (e são) muitas ações desenvolvidas, e o mais legal e importante é o apoio de toda a comunidade no projeto e do entusiasmo das editoras com a ideia do projeto - sem esse apoio o projeto não conseguiria ir a adiante.

Caroline S. Guerra (@carolsguerra), usuária do Waze, Brasil. Area Manager Fortaleza/CE na Comunidade Waze Brasil. Analista de TI com foco em gestão de TIC, prestando serviço para o Governo do Estado do Ceará. Pós-Graduanda em Gestão de processos e projetos. Líder de um projeto de desenvolvimento de aplicativo. Canceriana. Adora tanta coisa que não cabe aqui. Apoiadora de causas que de alguma forma possam impactar na melhoria do mundo.

No comments:

Post a Comment